ESPECIALIDADES: CONSTRUCIONISMO SOCIAL

29/01/2019

Considerando que a Psicologia e a Terapia fazem parte de um campo de conhecimento e atuação amplo e diverso, na Unipsico você também vai encontrar psicólogos que trabalham a partir da perspectiva do CONSTRUCIONISMO SOCIAL, o qual traz a partir da década de 80 um conjunto variado de contribuições teórico-práticas para várias áreas da psicologia. 

No campo da psicoterapia a utilização das ideias construcionistas marcam um novo entendimento da postura do terapeuta e do processo terapêutico. A terapia é entendida como um espaço onde terapeuta e clientes produzem conjuntamente conversações, histórias, sentidos e entendimentos com atenção nas maneiras particulares pelas quais a pessoa se constrói nos relacionamentos e nos significados que orientam sua vida. 

Como um processo de co-construção, o terapeuta assume uma postura de colaboração para o surgimento de conversas que gerem novos sentidos. A compreensão das questões trazidas pelo cliente vai se dando através de uma analise dos relacionamentos nos quais ele está inserido. 

Um olhar construcionista também enfatiza a polivocalidade e busca promover uma multiplicidade de formas de descrever um problema bem como explicitar a multiplicidade de selves que as pessoas desenvolvem nos vários relacionamentos de sua vida. Sensível a valores e atento aos discursos sociais, o terapeuta Construcionista considera a influência do contexto na construção do relacionamento terapêutico e na produção de sentidos. 

Entendendo a continuidade dos processos de significação, o terapeuta procura promover junto ao cliente a utilização em sua vida das conversações produzidas na terapia.

Para citar alguns terapeutas Construcionistas Sociais, destacamos três propostas influentes: a Terapia Narrativa com Michael White e David Epston, os Processos Reflexivos com Tom Anderson e as Práticas Colaborativas e Dialógicas de Harlene Andersen.