Será que videogame tem alguma coisa a ver com psicologia?

17/08/2017 imprimir


Nos últimos 25 anos os videogames se transformaram muito, ainda temos o mesmo super Mario correndo da esquerda para a direita e pulando sobre cogumelos, e temos experiências adultas e complexas como HELLBLADE - SENUA'S SACRIFICE. Os criadores do jogo consultaram especialistas e pacientes psicóticos para poder aproximar o jogador de experiências vividas em PSICOSE. Aqui vale esclarecer que psicose não é sinônimo de atos violentos (como no filme de Hitchcock). Falaremos de psicose em um texto dedicado a isto, mas uma maneira bem breve de defini-la aqui é: psicose é um AFASTAMENTO DA REALIDADE. Entenda-se aqui por realidade um número de ideias, percepções e informações que podem ser compartilhadas por um maior número de pessoas, e há um grupo de fenômenos associados a psicoses: ouvir vozes, delírios e alucinações, entre outros. Assim, pessoas com características de psicose podem ver e/ou ouvir imagens e sons que pessoas a seu lado não compartilham. Uma vez que a mente processa e “costura” estas impressões, os indivíduos podem produzir complexos pensamentos, conclusões e convicções que não são comuns às pessoas à sua volta. Todos nós já vimos dezenas de filmes em que os protagonistas tem episódios com estas características (o filme Cisne Negro é um ótimo exemplo), ou funcionam o tempo todo assim. Antes que o leitor pense que Hellblade é um simulador de psicose , o que seria bem ruim, convém dizer que é mais como um filme interativo, em que acompanhamos os momentos de FRAGMENTAÇÃO da personagem e seu esforço em RECONSTRUIR sua mente e sua história. Para não dar ‘spoiler’, caso o jogo lhe interesse, Senua é uma guerreira viking que fica anos afastada de sua aldeia e, quando retorna, a encontra devastada por guerreiros do Norte, e encontra Dillion, seu parceiro, morto. Assim, Senua parte em direção ao inferno nórdico (Helheim) para tentar recuperá-lo, e enfrenta várias criaturas e divindades da mitologia nórdica. Para o psicólogo, e para quem interessar olhar por este ângulo, Hellblade brilha porque é uma história de PSICOPATOGÊNESE: mostra sutilmente como ocorreu (ou que eventos podem ter participado de) o enlouquecimento de Senua. Como bem disseram seus criadores, Hellblade: Senua’s sacrifice não é um jogo para todos. Dito isto, vale saber que é absolutamente lindo e conta muitas histórias interessantes da mitologia nórdica. Recomendável para quem gosta de narrativas singulares e para quem quer experimentar videogames com temática adulta (ele é classificado para maiores de 18 anos).

 
17/08/2017 imprimir Voltar